Num dia

 

Por que andava?

Era tanta estrada.

Porque falava?

Eram tantas palavras.

 

Do lado um;

Dois p’ro outro lado.

Da esquerda.

Da direita.

 

Eram tantos vícios,

tantos danos,

ofícios.

Panos.

 

Passes.

Repasses.

Enganos.

 

 

Clareanna V. Santana, 13 de maio de 2008.

Published in: on Julho 14, 2008 at 4:00 am  Deixe um Comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://clareamente.wordpress.com/2008/07/14/num-dia/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: